quinta-feira, 9 de agosto de 2012


ATIVIDADE 3.3: PROJETO INTERDISCIPLINAR

Componente Curricular: Língua Portuguesa
Tema: Texto Dissertativo Argumentativo
Público Alvo: Alunos do 7º ano
Duração: 12 aulas de 50 minutos cada
Justificativa:
Em nossa escola os professores apresentam dificuldade para incentivar os alunos a escrever bem e ler os textos produzidos. O texto como objetivo apenas de sala de aula, já não é atrativo para os alunos. Nesse contexto, o novo desafio, enquanto educadores responsáveis pelo processo de ensino aprendizagem são criar situações de sala de aula que permitam aos alunos apropriação da diversidade textual, especificamente, o texto dissertativo argumentativo bem como veicular e significar os diferentes textos existentes em nossa sociedade dentro da sala de aula.
Nessa perspectiva, o projeto proposto é uma forma de encontrar novas possibilidades para incentivar os estudantes a escrever e ler textos, sendo necessárias novas possibilidades para modificar essa realidade.

Objetivo Geral: Entender a linguagem oral e escrita como algo significativo à medida que é empregada enquanto prática social.

Objetivos Específicos:
·         Despertar o gosto pela leitura;
·         Incentivar o aluno a ser um produtor de texto;
·         Utilizar com segurança o emprego da língua através da escrita quanto à gramática, ortografia, pontuação, textualidade e clareza;
·         Desenvolver a linguagem oral e escrita, principalmente quanto à produção de textos dissertativos argumentativos. 
Metodologia:
O professor solicitará que a turma escolha um tema da lista proposta em sala de aula e dividirá a turma em dois grandes grupos. Um grupo discutirá e defenderá sua tese e a outro grupo discutirá e defenderá a tese contrária. Depois que os alunos discutirem sobre a questão proposta, eles produzirão seu texto argumentando sobre a opinião do grupo. Serão escolhidos dois representantes de cada grupo que exporão as suas ideias em confronto. Dessa forma, o professor e os colegas poderão observar e avaliar o desenvolvimento da argumentação de cada um em debate. Cada grupo produzirá um texto argumentativo defendendo a sua opinião. Serão utilizados pesquisa na internet; leituras diversas; produção de textos; apresentação dos textos produzidos nos grupos; defesa e acusação de argumentos/teses; publicação no blog; produção de enquete e exposição dos textos e de resultados de pesquisa nos painéis na escola.

Ações / Desenvolvimento do Projeto em Sala de Aula:

1ª e 2ª Aulas:

Apresentação do Projeto aos alunos: Apresentar o projeto aos estudantes explicando o objetivo do mesmo que é proporcionar aos alunos instrumentos para elaborarem textos dissertativos argumentativos orais e escritos mais coesos e claros, assim como adotarem uma postura mais crítica diante da realidade. 

Conhecimento prévio dos alunos: Após o momento de apresentação do projeto, iniciar a aula com uma sondagem do conhecimento que os alunos têm sobre o tema: texto dissertativo argumentativo.

Explanação do conteúdo: Muitas pessoas confundem o texto dissertativo com o argumentativo. Mas eles não são a mesma coisa. Cada um tem características próprias. O texto dissertativo, por exemplo, expõe um fato, uma opinião sem o propósito de combater. Já o texto argumentativo tem o objetivo de persuadir, influenciar seu público leitor ou ouvinte buscando combater uma tese, uma opinião ou fato. Esse combate se dá por meio de uma linha de raciocínio lógico e uma apresentação de razões convincentes. Argumentar, defender uma tese (um ponto de vista) pode ser simples quando o fazemos oralmente, porque podemos nos corrigir ao mesmo tempo em que falamos. Além disso, podemos utilizar outros recursos, tais como: gestos, olhares e tom de voz, para tornar mais claro o nosso pensamento. Contudo, se decidimos argumentar por escrito, é necessário organizar melhor os argumentos que sustentarão a nossa tese. A língua escrita é mais concisa que a falada. Além de não podermos ser repetitivos, temos de ser o mais claro possível, pois não temos contato direto com nosso interlocutor. Ser conciso e claro é uma tarefa difícil. Na língua escrita, o grau de dificuldade aumenta. Por isso, muitos alunos sentem-se inseguros para escrever dissertações que são textos essencialmente argumentativos. Provavelmente, eles ainda não conhecem mais profundamente as diferenças entre o texto escrito e o falado. Daí produzirem textos muito extensos, repetitivos e inconclusos, repletos de marcas da língua falada.

Sugestão de temas: O professor irá sugerir temas e a turma escolherá o assunto que será debatido nas próximas aulas:
·         A pena de morte deve ser legalizada no Brasil;
·         O aborto deveria ser legalizado;
·         A maconha deveria ser legalizada;
·         A idade mínima para o jovem tirar a carteira de motorista deveria ser 16 anos;
·         É difícil a vida nos grandes centros urbanos;
·         Um jovem infrator deveria pagar por seus crimes a partir dos 16 anos;
·         A televisão é prejudicial ao telespectador.

Para o debate: Os alunos deverão assumir um ponto de vista favorável ou contrário ao tema escolhido e, a partir disso, reunir o máximo possível de provas para sustentar a sua tese. Essas provas podem ser recortes de jornal, revistas, trechos de livros, citações de personalidades, entre outros.

3a e 4ª aulas: Sugestão Acolhida e Debate

Problema: A influência da televisão
Argumentos:
1) A televisão é prejudicial às crianças;
2) Ela não desenvolve o raciocínio, nem desperta a criatividade;
3) O telespectador assume, diante da TV, um comportamento passivo.
As afirmações acima serão exatas? É verdade que a televisão é prejudicial às crianças por não desenvolver o raciocínio nem despertar a criatividade como afirmam muitas pessoas? O grupo discutirá sobre as afirmações:

Pró: Os anúncios são agradáveis de ver. Os anúncios informam os consumidores.
Os anúncios permitem que as emissoras melhorem o nível dos programas.
Contra: Os anúncios invadem a televisão. Os telespectadores são obrigados a suportá-los. Os anúncios induzem as pessoas a comprarem produtos inúteis. Os anúncios são caros, aumentam o preço dos produtos.

O professor fará a exposição das regras do debate. O grupo "A" seria a favor da tese e o grupo "B", contra. Os dois grupos expõem sua tese ou posição e depois expõem seu primeiro argumento. Explicar a diferença entre a apresentação da tese ou posição e a exposição do argumento. Explicar que no primeiro momento o aluno representante de seu grupo deveria limitar-se a dizer para o grupo contrário se era pró ou contra. Explicar também que no segundo momento, esse mesmo aluno representante ou outro deve expor uma prova para reforçar sua idéia. Depois, "A" procura "destruir" o argumento de "B" e vice-versa. Tanto o grupo "A" quanto o "B" terão 5 minutos para elaborar seus argumentos. E que cada grupo deve retomar o argumento adversário, rebatê-lo e utilizar alguma prova (exemplo, citações, pesquisas, etc.) para reforçar seu próprio ponto de vista.

5a e 6ª aulas: Produção, leitura e revisão do texto
O professor agradecerá o envolvimento dos alunos durante o debate da aula anterior e fará uma intervenção, comentando a atividade a partir de sua transcrição, chamando a atenção para possíveis falhas. Logo após, proporá aos alunos a escrita do texto e a leitura silenciosa e em voz alta  do mesmo para a turma.
O professor falará sobre a importância da revisão para que um texto ganhe qualidade. Mostrar que escrever é mais um processo do que um ato pontual.
Ressalta que o escritor reflete sobre o que colocará no papel, depois lê seu texto a fim de verificar se transmite sua mensagem tal como a imaginou e se provocou os resultados esperados. Então, solicitará que os alunos devem iniciar seu trabalho de revisão. Alertar aos alunos a respeito da diferença entre o título e o tema do texto.

7a e 8ª aulas: A turma visitará a sala multimídia para publicação dos textos no blog da turma e produzir uma enquete para ser votada: Você concorda que a televisão é prejudicial às crianças por não desenvolver o raciocínio nem despertar a criatividade como afirmam muitas pessoas?
(   ) Sim
(   ) Não

9a  e 10ª aulas: Resultado da Enquete: Os alunos farão a contagem dos votos inseridos na enquete do blog e produzirão um instrumento para mostrar o resultado da pesquisa através de uma tabela e de um gráfico tipo pizza produzido no laboratório de informática, utilizando o programa da Microsoft PowerPoint.

11ª aula: Divulgação dos resultados: Exposição dos resultados de pesquisa nos painéis na escola.

12ª aula: Avaliação: Para atender o objetivo do projeto, ou seja, saber o que os alunos conseguiram apreender com o projeto executado, o professor proporá a elaboração de um texto argumentativo sobre algum tema já sugerido e/ou discutido na aula. Este trabalho pode ser feito individualmente, em dupla ou em grupo.  

Recursos: Jornal, revistas, trechos de livros, quadro, giz, apagador, caderno, caneta, lápis, borracha, papel ofício, xérox, computador; internet.

Avaliação do projeto: A avaliação será constante e feita através da observação dos alunos na realização das atividades propostas em sala e no laboratório de informática.

Autoavaliação: As explicações dadas foram suficientemente claras e satisfatórias? Vocês aprenderam algo novo com o projeto? Tem alguma sugestão? E reclamação? Gostariam de ter outros projetos como este?

Referências:
Citelle, Beatriz. Produção e Leitura de Texto no Ensino Fundamental- 3ª Ed. Editora Cortez. São Paulo, 2003.

Freire, Paulo. A Importância do Ato de Ler, 32ª Ed. Cortez. São Paulo, 1996.

Geraldi, João Vanderley (org). O Texto na Sala de Aula. São Paulo, Ática, 1997.


ANDRADE, Maria L. da C. V. de O. "Língua falada e língua escrita: como se expressa a construção textual". São Paulo, 1997. FFLCH – USP

CASTILHO, Ataliba Teixeira de. "Português falado e ensino de gramática". Letras de Hoje, 25 (1): 103-136.

DOLZ, Joaquim & SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita: elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona) [manuscrito]

GARCIA, Otho M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 15ed., 1992.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 3a ed., 1997.

SARGENTIM, Hermínio G. Gramática, Texto, Redação. São Paulo: Nacional, 1981.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário